Atendimento Médico (11) 4111-4068
  1. Home
  2. Tratamento da hipertensão pode retardar a progressão da doença de Alzheimer
Descrição da imagem
Medicina familiar

Tratamento da hipertensão pode retardar a progressão da doença de Alzheimer

Um novo estudo sobre a nilvadipina, droga para hipertensão, descobriu que pode aumentar em 20% o fluxo sanguíneo para a parte do cérebro que controla a memória. Ela age ampliando as artérias e impedindo a entrada do cálcio – sem afetar outras partes do cérebro.

Embora em seus estágios iniciais, a pesquisa, publicada na revista Hypertension, da American Heart Association, sugere que a nilvadipina poderia reverter os sinais da doença de Alzheimer em algumas regiões. Mas não está claro se isso levaria a menos sintomas de demência, cujos tratamentos até agora não foram capazes de curar.

“Esse tratamento para pressão alta é promissor, pois não parece diminuir o fluxo sanguíneo para o cérebro, o que poderia causar mais danos do que benefícios”. Disse Jurgen Claassen, professor e coordenador do estudo no Centro Médico da Universidade Radboud, na Holanda.

“Mesmo que nenhum tratamento médico seja sem risco, a obtenção de tratamento para pressão alta pode ser importante para manter a saúde cerebral em pacientes com doença de Alzheimer”.

Saiba mais: A DOENÇA DE ALZHEIMER NÃO PODE COM A MÚSICA

Saiba mais: NOVA TERAPIA TRAZ ESPERANÇA PARA QUEM SOFRE COM ALZHEIMER E DEPRESSÃO

Saiba mais: 4 DICAS PRÁTICAS PARA SER MAIS CONFIANTE

Como foi realizado o estudo?

A equipe do Prof. Claassen recrutou 44 pacientes com Alzheimer leve a moderado, metade dos quais receberam nilvadipina por seis meses e os outros um placebo. Nem os pesquisadores nem os participantes, que tinham uma idade média de 73 anos, sabiam quem estava tomando as pílulas de pressão arterial, que custam alguns centavos cada.

No início, ambos os grupos foram submetidos a uma ressonância magnética única que mediu o fluxo sanguíneo para áreas específicas da massa cinzenta. Quando isso foi repetido no final, a nilvadipina aumentou o fluxo sanguíneo para o hipocampo, a área do cérebro que controla a aprendizagem e a memória, em 20% em comparação com a droga simulada, porém o fluxo sanguíneo para outras partes do cérebro não foi afetado em nenhum dos participantes.

O grupo estava entre um estudo mais amplo de 500 pacientes com Alzheimer que receberam nilvadipina entre 2013 e 2015. Nesse projeto maior, os efeitos sobre o fluxo sanguíneo cerebral não foram medidos e, em geral, nenhum “benefício clínico” foi observado. Mas um subgrupo de pacientes com apenas sintomas leves de doença experimentou uma sensação de declínio mais lento na memória.

Saiba mais: TESTE SUA MEMÓRIA

Saiba mais: VEREADORES DE PORTO ALEGRE APROVAM FIM DO BONECO DE BENGALA COMO SÍMBOLO DE IDOSOS

Saiba mais: SE VOCÊ QUER UMA VELHICE SAUDÁVEL, ACEITE ESSA VERDADE!

Estudos anteriores sugeriram que o tratamento com pressão alta poderia reduzir o risco de desenvolver demência. Os pesquisadores acreditam que os efeitos benéficos no fluxo sangüíneo cerebral poderiam explicar parte desse efeito.

Claassen acrescentou: “No futuro, precisamos descobrir se a melhora do fluxo sangüíneo, especialmente no hipocampo, pode ser usada como um tratamento de apoio para retardar a progressão da doença de Alzheimer, especialmente nos estágios iniciais da doença”.

O risco de Alzheimer – a forma mais comum de demência – aumenta com a idade e as causas são em grande parte desconhecidas. Pesquisas anteriores mostraram que o fluxo sanguíneo para o cérebro diminui no início da doença de Alzheimer.

Um estudo britânico já está em andamento para saber se outra droga para baixar a pressão arterial chamada losartana, que se tornou disponível em 1995, pode retardar a progressão da doença de Alzheimer. Especialistas usarão imagens do cérebro para avaliar se o losartan reduz a taxa de encolhimento cerebral que normalmente ocorre na doença.

Questionários padronizados sobre desempenho de memória e qualidade de vida também indicam se o medicamento pode ser um tratamento útil. Novamente, ninguém, incluindo os médicos ou enfermeiros envolvidos, saberá até que o estudo seja analisado, quem recebe qual.

Existem atualmente 850.000 pessoas vivendo com demência no Reino Unido – 500.000 das quais têm Alzheimer, a forma mais comum. Prevê-se que o número aumente para dois milhões até 2050.

Saiba mais: GERIATRA: CONHEÇA O MÉDICO RESPONSÁVEL POR GERENCIAR O BEM-ESTAR NA TERCEIRA IDADE

Saiba mais: CONHEÇA A NETOTERAPIA

Saiba mais: ALZHEIMER: ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL EVITA APARIÇÃO DOS SINTOMAS

A Dra. Laura Phipps, da Alzheimer Research UK, disse: “Sabemos que a pressão alta é um fator de risco para o desenvolvimento de demência, mas não está claro se os medicamentos para baixar a pressão podem melhorar a memória e o pensar em pessoas com Alzheimer. Resultados recentes de um grande estudo de nilvadipina não mostraram benefícios para pessoas com Alzheimer. Embora este estudo tenha descoberto que o nilvadipino aumentou o fluxo sangüíneo no hipocampo, era pequeno demais para nos informar sobre seus efeitos em outras alterações cerebrais associadas à doença ou nos sintomas das pessoas. Testar os medicamentos existentes aprovados para uso em outras condições de saúde continua a oferecer uma oportunidade tentadora de acelerar o processo de descoberta de medicamentos. Há fortes evidências de que há coisas que podemos fazer para manter nosso cérebro saudável à medida que envelhecemos, isso inclui manter nossa pressão arterial e colesterol sob controle, além de não fumar, beber apenas dentro dos limites recomendados, fazer uma dieta balanceada e permanecer mental e fisicamente ativo”.

sobre o autor

Descrição da imagem
Painel Demonstrativo
Usuário desde: Jul 06, 2020